Costa Sacadura [1923/1928]

37. Costa Sacadura

O Professor Costa Sacadura ocupou a presidência da Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa durante dois mandatos. A sua direcção conseguiu vencer a grave crise financeira que paralisava esta agremiação e que foi responsável pela suspensão do Jornal durante oito anos.

Para enaltecer tão profícuo labor os sócios nomearam-no Secretário-Geral perpétuo. Costa Sacadura deu ainda grande brilho científico à Sociedade mercê de várias iniciativas inovadoras, nomeadamente a criação de diversas especialidades como sociedades filhas ou secções.

Quer no ensino, quer na clínica, foi um médico exemplar, dedicando a sua vida e obra à Obstetrícia e Ginecologia cuja cátedra regeu, fazendo parte de um escol notável de médicos parteiros que incluiu Alfredo da Costa e Augusto Monjardino.

De escrita fácil, Costa Sacadura deixou vasta obra publicada, desenvolvendo essa capacidade nas áreas da obstetrícia, ginecologia, História da Medicina, jornalismo médico e pedagogia.

Nicolau Bettencourt [1921/1922]

36. Nicolau Bettencourt

Nicolau de Bettencourt (o terceiro director do Instituto Bacteriológico Câmara Pestana e terceiro professor de Bacteriologia da Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, depois Faculdade de Medicina de Lisboa) teve a enorme responsabilidade de continuar os vultos máximos da bacteriologia nacional – Câmara Pestana e Aníbal Bettencourt. Podemos considerar que a desempenhou honrosamente embora tenha introduzido uma nova orientação, pioneira em Portugal e antecipando-se à sua época, que hoje está consagrada entre nós e em todo o Mundo – a Microbiologia Clínica. Com efeito, associava ao seu cargo de Médico dos Hospitais Civis de Lisboa (Clínica Médica), o seu virtuosismo técnico-laboratorial que aprendeu com Câmara Pestana e com seu irmão. Dedicou-se em particular à Imunologia e Serologia cujas respostas se impunham face às realidades clínicas com que convivia (febre tifóide, tifo exantemático, quisto hidático, meningite meningocócica, difteria, sífilis, brucelose).

Trabalhou em laboratórios de referência internacionais (Londres, Copenhaga) e desempenhou missões honrosas, representando Portugal em numerosos países e na Sociedade das Nações.

Pela relativa proximidade de idade com seu irmão, só atingiu a cátedra com 58 anos, falecendo 11 anos mais tarde, com 69 anos. O seu importante depoimento Balanço Necessário, publicado dois anos após assumir a direcção do Instituto Bacteriológico Câmara Pestana, não deve ser visto com pessimismo, mas antes como uma acutilante e amargurada crítica à organização das instituições científicas públicas, que evidenciavam falta de estímulo para a investigação científica no ambiente português.

Azevedo Neves [1919/1921]

35. Azevedo Neves

O Professor Azevedo Neves presidente da Sociedade em 1919--21 faz parte do grupo de prestigiados professores que ficaram conhecidos na História da Medicina Portuguesa como «a geração médica de 1911», por terem sido nomeados catedráticos da Faculdade de Medicina de Lisboa nessa data, realizando provas para as respectivas especialidades, então criadas.

Azevedo Neves, oriundo de Angra do Heroísmo onde já se distinguira ao dirigir um jornal de estudantes, fez uma licenciatura brilhante na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa.

Especializou-se em Berlim (1901) com Virchow e Von Hansermann e regressou a Lisboa a convite do Professor Curry Cabral para fundar o Laboratório de Análise Clínica do Hospital de São José (1902).

Inicialmente vocacionado para se dedicar à Anatomia Patológica, a oportunidade de ingressar na Escola Médica, fê-lo optar pela Medicina Legal, cadeira vaga pela jubilação de Silva Amado.

Em 1911 é catedrático de Medicina Legal e Director da Morgue.

Numa actividade de mais de 30 anos consegue colocar a Medicina Legal em Lisboa numa situação de grande prestígio nacional e internacional, e erigir o Instituto de Medicina Legal de Lisboa.

A sua actividade exercida com muitas outras facetas de professor, escritor, ensaísta, conferencista e político, traduziu-se numa obra escrita valiosa, que engloba 112 títulos.

É considerado pioneiro da Medicina Legal, da luta contra o cancro em Portugal, da fisioterapia e do ensino técnico-profissional.